Acenda as luzes antes de entrar, é mais seguro. Evite esbarrar nas quinas dos móveis, escorregar naquele tapete do corredor, olhar para o espelho e não enxergar seu reflexo. Nunca gostei do escuro, desde pequena. Saber onde estou pisando é sinônimo de segurança, conforto e precaução.
Mas você não perde essa mania de brincar de apagar as luzes depois que abro a porta. Eu não te vejo e se não vejo deixo de ser a dona desse lugar. Que terra é essa que nos obriga a acreditar naquilo que não vemos? Que nos faz acelerar a respiração a cada passo que damos? Que lugar é esse repleto de gente que ainda acredita em sonhos e finais felizes? Que coleciona bodas e fotos em porta-retratos?
Não me reconheço em meio a essas pessoas que se entregam sem medo, andam despreocupadas com o que está por vir e se divertem com as surpresas que se tem ao tatear o desconhecido. Ainda que isso tudo me faça tanta falta, ainda que escreva e fale tanto, falta-me coragem. Coragem de acreditar em você e nas loucuras que pode me levar a fazer caso aceite a sua condição e ordem de comando.
Sei que anda cansado e descrente, sei que a estrada vai ficando confusa e cinza, que as histórias se repetem. Seu pulsar, que um dia já foi marchinha de carnaval, hoje emite sons ritmados de quem já sofreu um bocado. Por isso ainda prefiro as luzes acesas, só assim posso te proteger das falsas verdades, dos discursos prontos e dos contratos de amor eterno. Sem garantia nem promessa, te garanto a minha companhia e isso já parece ser muito.

Compartilhar

Jornalista e gestora cultural com especialização em marketing, comunicação digital e práticas dirigidas a elaboração de projetos de incentivo e fomento a arte em suas mais diversas manifestações. É diretora da Montenegro Produções Culturais, com sede em Curitiba, e da Guanabara Produções Culturais, como extensora dos projetos de arte para outros Estados do Brasil. Recentemente, produziu três edições do Festival de Teatro Infantil de Curitiba, quatro edições do Festival No Improviso Jazz & Blues, a série de encontros Conversarte, exposições artísticas, oficinas culturais, seminários de sustentabilidade e outros.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA