Fossem as coisas do mundo mais simples, você e eu teríamos um alarme interno, uma campainha mental, um sinal intuitivo qualquer que nos chamasse a atenção no instante mesmo em que, por sorte, por acaso ou por merecimento, a felicidade nos dá o ar da graça.

Comigo é quase sempre assim. Vivo sendo feliz por aí, mas só me dou conta depois que acontece. Passa um tempo e lá estou eu, perplexo, pensando comigo: “caramba! Eu senti felicidade e nem percebi!”

Não que isso diminua o valor desse sentimento sublime. Não diminui. Aliás, aumenta. É como ser feliz de novo por ter sido feliz lá atrás. É como saber que seremos felizes ainda, qualquer hora dessas.

Acontece. Felicidade não avisa. Mas eu acho lindo quando a gente a pega em flagrante, fazendo das suas ao nosso lado. Sabe aquele instante em que você olha o céu e vê uma estrela caindo entre as outras? É isso. Se você não visse a estrela cadente, ainda assim ela teria caído. Não importa. Vale é que você estava ali, bem ali onde queria estar, sob o céu e a lua e as estrelas. Com a felicidade há de ser parecido. Nem sempre a gente a vê e isso não quer dizer que ela não esteja lá.

Cabe a nós o trabalho da vida, o caminho, o pé depois do outro. Só nos resta estarmos onde devemos estar. Vale é viver. E a felicidade virá. Se notarmos a sua presença, muito bem. Se só a percebermos depois, está bom também. Teremos sido felizes do mesmo jeito.

Eu tenho sido feliz assim. A felicidade me acorda no sábado de manhã, sob a forma de uma moça linda, de nome simples, defensora da justiça, da paz, do amor e de um mundo estável, e me lembra que a vida é boa, as crianças sorriem parecido e o trabalho é sagrado. Mas eu só percebo depois, no domingo à noite. E aproveito para ser feliz de novo.

Compartilhar

Jornalista e publicitário pós-graduado em Gestão Estratégica da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA-USP. Com 20 anos de experiência profissional, produziu conteúdo editorial e publicitário para inúmeros clientes em diversos segmentos. Tem seis livros publicados, é redator em agência de propaganda e professor da Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação – ESAMC em Sorocaba. No primeiro semestre de 2014, lançou o seu primeiro livro infantil e tem cinco títulos no catálogo da Editora Nova Alexandria.

Para conhecer seus livros, visite o site.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA